Limão Siciliano

1
1954

limão-siciliano (conhecido em Portugal como limão; espécie Citrus x limon) é o fruto de uma pequena árvore de folha pereneoriginária da região sudeste da Ásia, da família das rutáceas. Apresenta diversas variedades cultivadas, sendo uma dezena delas frequentes, como, por exemplo, o limão-eureca, o limão-lisboa, o limão-fino, o limão-verno, o limão-villafranca, o limão-lunário etc.

 

Este artigo não trata de três outras espécies de frutas cítricas, chamadas de ‘limões’ no Brasil e de ‘limas’ em Portugal, e mais conhecidas no Brasil do que o limão-siciliano, Citrus × latifolia ou limão-taiti, Citrus aurantiifolia ou limão-galego, Citrus x limonia ou limão-cravo.

O limão-siciliano foi trazido da Pérsia pelos árabes, disseminando-se na Europa. Há relatos de limoeiros cultivados em Génova em meados do século XV, bem como referências à sua existência nos Açores em 1494.

Séculos mais tarde, em 1742, os limões foram utilizados pela marinha britânica para combater o escorbuto, mas apenas em 1928 se obteve a ciência sobre a substância que combatia tal doença, batizado ácido ascórbico ou vitamina C, a qual o limão proporciona em grande quantidade: o sumo do limão contém aproximadamente 500 miligramas de vitamina C e 50 gramas de ácido cítrico por litro. Atualmente, é uma das frutas mais conhecidas e utilizadas no mundo.

Popularizou-se no Brasil] durante a chamada gripe espanhola (epidemia gripal de 1918), quando atingiu preços elevados, chegando a ser comprada por de dez a vinte mil réis cada unidade.

O limão-siciliano tem origem no Sudeste da Ásia, provavelmente no sul da China, ou Índia. Sua história é, por vezes, pouco clara.

Não era uma fruta comum no mundo antigo grego e romano. Vários fatos indicam que uma fruta cítrica parecida com o limão era conhecida, mas não se sabe se era o limão ou a cidra, uma espécie vizinha e muito semelhante, e não existem evidências paleobotânicas. Os gregos utilizavam o limão ou a cidra para proteger as roupas das traças.

As primeiras descrições claras do uso da fruta para fins terapêuticos remontam às obras de Teofrasto, aluno de Aristóteles, que é considerado o fundador da fitoterapia.

Os helenos utilizavam o cultivo de limoeiros ou de cidreiras perto de oliveiras para preservá-las de ataques de parasitas. O limão pode ter sido retratado na arte romana: há representações de frutas cítricas em mosaicos romanos em Cartago e afrescos em Pompeia, que possuem uma semelhança impressionante com laranjas e limões.

Diz-se que Nero era um consumidor regular desta fruta, pois assim tentava se prevenir de um possível envenenamento.

O limão também foi muito utilizado no Mediterrâneo de maneira ornamental em jardins islâmicos.

Os egípcios do século XIV conheciam o limão. Ao longo da costa mediterrânea do Egito, as pessoas bebiam kashkab, uma bebida feita de cevada fermentada, folhas de hortelã, arruda, pimenta preta e limão. A primeira referência do limão no Egito é nas crônicas do poeta e viajante persa Nasir-i-Khusraw, que deixou um relato valioso da vida no Egito sob o mandato do califa fatímida al-Mustansir (1035-1094).

O comércio de suco de limão foi bastante considerável em 1104. Sabemos a partir de documentos em Geniza Cairo – registros da comunidade medieval judaica no Cairo a partir do século X até o século XIII – que as garrafas de suco de limão, qatarmizat, foram feitas com muito açúcar e era consumidas localmente e exportadas.

No Ocidente, o limão tornou-se mais difundido no ano 1000, graças aos árabes que o levaram a fruta para a Sicília. A origem do nome vem do persa. Na Europa, havia o cultivo de limões-reais em Génova, em meados do século XV. Em 1494, apareceram limões em Açores, enquanto que, na América, o limão e outros cítricos foram levados pelos missionários espanhóis após a descoberta de Cristóvão Colombo.

A fruta também foi introduzida nos países do norte europeu, através de viagens marítimas, pagando-se por eles com bens valiosos ou até mesmo ouro. Os frutos comprados eram revendidos a preços muito elevados nos países do norte: o limão foi considerado um produto de luxo, sendo usado principalmente como um ornamento e um medicamento.

Posteriormente, os médicos tornaram-se conscientes de que a ingestão diária de suco de limão evitava surtos de escorbuto entre os marinheiros em longas viagens marítimas. Navios ingleses foram obrigados por lei a carregar bastante suco de limão para cada marinheiro.

De 1940 a 1965, a produção aumentou e os Estados Unidos tornaram-se um importante fornecedor de limões. Mais de 50 por cento da safra de limão dos Estados Unidos é transformada em suco e produtos. A casca, polpa e sementes são usadas para se fazer óleos, pectina, ou outros produtos.

O limão também tem sido é usado externamente para acne, fungos (micose e pé de atleta).

Origem

Os limoeiros são árvores pequenas (não atingem mais de 6 metros de altura), espinescentes, muito ramificadas, de caule e ramoscastanho-claros; as folhas são alternas, oblongo-elípticas, com pontuações translúcidas; as inflorescências são de flores axilares, alvas ou violeta, em cacho. Reproduz-se por estacas de galhos, em solo arenoso e bem adubado, de preferência em regiões de clima quente ou temperado.

Propaga-se também por sementes, que requerem solo leve, fértil e bem arejado, em local ensolarado e protegido dos ventos. Frutifica durante todo o ano, em inúmeras variedades, que, embora mudem no tamanho e na textura da casca, que pode ser lisa ou enrugada, quanto à cor, variam do verde-escuro ao amarelo-claro, exceto uma das espécies, que se assemelha a uma tangerina.

Características

Ao contrário de outras variedades cítricas, o limoeiro produz frutos de forma contínua.

Farmacologicamente, o limão é principalmente importante pelo seu valor nutricional de vitamina C e potássio.

No Brasil, os chamados limão-galego e o limão-taiti, na verdade, não são limões, mas sim limas ácidas. O chamado limão-verdadeiro, também conhecido como siciliano, eureca ou lisboa, é a espécie mais consumida na Europa e nos Estados Unidos, possuindo o nome científico Citrus x limon; esse limão possui uma casca amarela.

As principais diferenças entre limões e limas ácidas são o tamanho e o gosto ligeiramente diferente, pois limões têm sabor um pouco mais suave. Apesar disso, todas essas espécies têm origens parecidas. Outra coisa que diferencia os limões de limas ácidas é o rendimento para fazer sucos, sendo que as limas são melhores para esse uso.

O chamado limão-cravo é uma mistura de limão e tangerina. Possui uma coloração interna alaranjada e é muito usado para temperos.

Partes usadas

Folhas e fruto.

Os que têm cor amarelada ou amarelo-esverdeada, são cultivados sobretudo pelo sumo, embora a polpa e a casca também se utilizem em culinária. Os limões contêm uma grande quantidade de ácido cítrico, o que lhes confere um gosto ácido. No suco de limão, essa acidez chega a um pH de 2 a 3, em média.

Informações nutricionais

Limão (ao natural, sem casca)
Valor nutricional por 100 g (3,53 oz)
Energia 121 kJ (30 kcal)
Carboidratos
Carboidratos totais 9.32 g
 • Açúcares 2.50 g
 • Fibra dietética 2.8 g
Gorduras
Gorduras totais 0.30 g
Proteínas
Proteínas totais 1.10 g
Vitaminas
Tiamina (vit. B1) 0.040 mg (3%)
Riboflavina (vit. B2) 0.020 mg (2%)
Niacina (vit. B3) 0.100 mg (1%)
Ácido pantotênico (B5) 0.190 mg (4%)
Vitamina B6 0.080 mg (6%)
Ácido fólico (vit. B9) 11 µg (3%)
Vitamina C 53.0 mg (64%)
Minerais
Cálcio 26 mg (3%)
Ferro 0.60 mg (5%)
Magnésio 8 mg (2%)
Fósforo 16 mg (2%)
Potássio 138 mg (3%)
Zinco 0.06 mg (1%)
Percentuais são relativos ao nível de ingestão diária recomendada para adultos.
Fonte: USDA Nutrient Database

Propriedades

As suas aplicações na vida doméstica são inúmeras. Com o suco da fruta, preparam-se refrigerantes, sorvetes, molhos e aperitivos, bem como remédios, xaropes e produtos de limpeza. Da casca, retira-se uma essência aromática usada em perfumaria e no preparo de licores e sabões.

Estudos epidemiológicos associam a ingestão de frutas cítricas, com uma redução no risco de várias doenças. O limão também mostra alguma atividade antimicrobiana.

Em fitoterapia, é utilizado para diversas patologias, tais como reumático, infecções e febres, aterosclerose, combate ateromas (remove placas gordurosas das artérias), constipações, gripes, dores de garganta, acidez gástrica e úrica (alcaliniza o sangue), frieiras, caspas, cicatrizações, ajuda a manutenção de colágeno, hemoglobina, atua como anti-séptico entre outras. O limão possui uma substância própria denominada limoneno capaz de combater os radicais livres. É, fundamentalmente, um remédio tónico que ajuda a manter a boa saúde.

Produção

A Índia encabeça a produção mundial de limão e lima com cerca de 19% da produção total, seguido pelo México (~ 14,6%), China (7,5%), Argentina (~ 7,4%), Brasil (~ 7,2%) e Estados Unidos (~ 6,1%).

Principais produtores de lima e limão – 2009
País Produção (Toneladas)
 Índia 2 571 530
 México 1 987 450
 China 1 014 446F
 Argentina 1 000 000*
 Brasil 972 437
 Estados Unidos 827 350
 Turquia 783 587
 Irão 711 729
Flag of Spain.svg Espanha 551 000
 Itália 486 200
 Mundo 13 607 350

Os beneficioso do limão siciliano

O limão é um dos remédios caseiros mais úteis e recorridos que se tem. A tradicional bebida de limão com mel pode ser aromatizada com gengibre e alho para fazer uma infusão potente contra constipações, gripes, tosse e distúrbios digestivos, além de melhorar a resistência às infeções.

Também conhecido como limão-galego, limão, limão-verdadeiro, suas folhas são perenes, verdes e brilhantes; suas flores são róseas na parte externas e brancas internamente. Reproduz-se por estacas de galhos, em solo arenoso e bem adubado, de preferência em regiões de clima quente ou temperado. Para a utilização da casca, deve-se retirar apenas a parte mais externa, desprezando a parte que é esbranquiçada ou amarelada.

Partes Utilizadas: Folhas e frutos.

Modo de conservar: As folhas e as cascas dos frutos podem ser secas ao ar livre e guardadas, em separado, em sacos de papel, longe da luz solar e da umidade. O suco do fruto deve ser utilizado fresco.

Propriedades: Sedativo, antiespasmódico, sudorífico, vermífugo, antiescorbútico, alcalinizante, depurativo e tônico digestivo.

Desintoxicação: O sumo, tomado como bebida depurativa, rica em vitamina C, estimula o metabolismo hepático e a desintoxicação. O sumo diluído de um limão acabado de espremer é excelente antes do pequeno-almoço. É eficaz enquanto em aftas, gengivite e garganta inflamada. Também estimula o apetite, auxilia a digestão e melhora a absorção de ferro. A sua ação sobre o fígado ajuda a reduzir reações alérgicas e promove a eliminação de produtos residuais. Evite beber o sumo puro, pois é extremamente ácido E pode dissolver o esmalte dos dentes. Escove os dentes depois de beber sumo de limão.

Distúrbios de fungos: As sementes do limão são antissépticas e podem ser mastigadas ou tomadas esmagadas para tratar candidíase e outros problemas fúngicos. A casca e a parte branca têm níveis elevados de óleo essencial, o que torna os extratos preciosos para muitos problemas de saúde crônicos, incluindo distúrbios de circulação, tais como arteriosclerose, varizes e má circulação periférica.

Princípios Ativos: Pectina, limonina, felandrina e hidrocarbonetos terpênicos, dentre outros.

Contraindicações/cuidados: aplicado externamente, não se deve expôr a pele ao sol, pois queima e provoca manchas escuras; a aromaterapia com óleo de limão é contraindicada para diabéticos e desaconselhada para quem tem pressão baixa. Em doses elevadas é convulsivo, provoca tremores, delírio e vertigens. Na aromaterapia, o óleo essencial de limão usado em altas doses, por longos períodos de tempo, pode causar hipertensão arterial.

Modo de usar:

– casca, em pedaços ou em raspas, condimento aromático ou matéria-prima essencial para doces, compotas, pudins, tortas, balas, cremes, recheios, suspiros, caldas etc., conservas em calda ou em compotas;

– 2 gotas de limão e 1 colher (sobremesa) de óleo de amêndoas e 2 colheres (sopa) de açúcar: esfoliante natural para as mãos e os joelhos (os terpenos do limão ajudam a clarear as manchas e os cristais do açúcar removem células mortas;

– suco do limão misturado a açúcar e água em ceras de depilação caseiras;

– óleo essencial de limão na aromaterapia estética: prevenir varizes e a eliminar acne de peles oleosas;

– óleo essencial: formulação industrial de xampus, sabonetes, produtos de higiene bucal, cremes e óleos;

– óleo essencial de limão na aromaterapia: anemia, astenia, arteriosclerose, congestão hepática, dispepsia, doenças infecciosas, doenças da pele, falta de apetite, flatulência, hipertensão, hiperviscosidade do sangue e reumatismo;

– xarope ou extrato fluido de limão: expectorante, fluidificante, combater secreção catarral; xarope caseiro com mel, tem a mesma aplicação; – suco de limão em gargarejos: inflamações na boca e na garganta; – suco de limão decocção: malária;

– uso externo, sumo do limão misturado com açúcar, até formar uma pasta, é ótimo no tratamento da acne, da pele cansada e da oleosidade excessiva;

– uso externo, o sumo serve para clarear as mãos e amaciar as cutículas endurecidas, na cabeça, ele diminui a oleosidade do couro cabeludo e elimina a caspa;

– a casca, as folhas e as flores do limoeiro são usadas em chás e xaropes.

Pé de limão Siciliano

Flor do limão siciliano